segunda-feira, 22 de agosto de 2011

Síndrome de Rose


Imaginemos a seguinte cena: um casal de namorados passando de carro vê um policial, desses fortões, encostado no muro. Como o cara é uma pessoa que se preocupa muito com a opinião dela, perguntou sobre suas fantasias sexuais com homens de uniforme. Perguntou só pra efeito de informação, claro. Só pra ficar sabendo, porque essa é um tipo de informação muito importante... Ela disse prontamente: “Nããããão! Eu tenho atração por desenhistas de quadrinhos”.

Observem bem, ela disse “ tenho atração por desenhistas de quadrinhos”. É óbvio que essa moça sofre de um desses dois problemas: ou ela é uma mentirosa compulsiva, porque se sentir sexualmente atraída por desenhistas de quadrinhos não é uma reação normal do instinto feminino. É claro que se trata de uma mentira descarada para agradar aos nerds desenhistas de plantão que nunca ficariam atraentes num uniforme militar ou qualquer outro.

Agora, existe a possibilidade desta moça sofrer de uma doença muito triste que assola muitas menininhas: um distúrbio mental que faz com que a moça fantasie um mundo romântico com um artista excêntrico que ela possa vir a conhecer. Essa síndrome já existia há muito tempo, mas só foi batizada recentemente como “Síndrome de Rose”. Alguns dos casos mais comuns de acometer as moças donas de casa é quando o marido faz uma reforma e precisa pintar a sala ou o quarto. O cheiro da tinta, as roupas sujas, os corpus besuntados de tinta acrílica, tudo faz aflorar um desejo crescente por um artista plástico em potencial.

Essa é a Síndrome de Rose. Ela foi descoberta por mim há alguns dias atrás e não tem nada a ver com o exemplo do policial citado acima. Rose, pra quem não sabe era aquela mocinha do filme Titanic que se apaixona pelo Jack, interpretado por, ninguém menos que Leonardo Di Caprio. Depois da estreia de Titanic o número de garotas que queriam posar nuas para desenhistas espinhentos cresceu absurdamente no mundo. Nada justifica essa insistência feminina em ser retratada pela mão de um desenhista iniciante a não ser ter um pouco da sensação de ser uma Rose Dawson (interpretada por Kate Wislet) sendo observada pelos olhos ardentes de desejo de um Leonardo Di Caprio. Não se iludam, amigos desenhistas. Isso é uma doença e precisa de tratamento.

Você, usando seus talento como desenhista nunca irá despertar desejos sexuais em uma garota normal. Aprenda a tocar violão, talvez tenha uma chance!

4 comentários:

As meninas disse...

Nossa! Entendo bem como é isso. Não recordo os primeiros sintomas, mas sei que é uma sensação arrebatadora.Só de observá-lo na mesa desenhando,levando o lápis a criar traços leves e ás vezes firmes e fortes, a esboçar cada detalhe de um corpo e a dar sequência no próximo quadrinho é mesmo de arrepiar. Enfim.. é mesmo muito sério. Como se ele ás vezes te desenhasse ou te despisse só num olhar. E tem esse desejo e atração pelas mãos do desenhista.E mais: não se quer nenhuma tentativa de tratamento.

Bernardohq disse...

Bom, pelo menos vc não está mais negando que tem o problema... Já é alguma coisa... O pior é q vc nega qualquer tentativa de tratamento. Isso é muito perigoso. Pode ser um caminho sem volta.

D e r e c k disse...

Que droga cara! é tudo um disturbio. tsc..

Mente voadora disse...

E isso foi postado por um desenhista.