sábado, 19 de maio de 2018

Conheça a tradutora de livros de Arquivo X, Sidney Sheldon e Trono de Vidro


Por Bernardo Aurélio

Mariana Kohnert é tradutora de livros desde 2011 e trabalhou em textos de autores como Sidney Sheldon (Em busca de um novo amanhã) e Sarah J. Maas (da série Trono de Vidro). Nesta entrevista, conversamos mais particularmente sobre o livro The X Files – Origens: Agente do Caos (que já resenhei por aqui), aventura que conta sobre a adolescência de Fox Mulder, protagonista da famosa série de tv Arquivo X.

Em nossa conversa, Mariana nos conta sobre o ofício da tradução, sobre as particularidades de cada autor com quem trabalhou, sobre sua relação com a série de tv que deu origem ao Agente do Caos e sobre o que mais gostou no livro. Parece que nós tivemos uma exer traduzindo, isso faz toda diferença...

Bernardo Aurélio: Antes de qualquer coisa, como você se tornou uma tradutora?

Mariana Kohnert: Eu me formei em Comunicação Social com habilitação em Produção Editorial, então entrei no mercado editorial ainda como estagiária. Depois disso me tornei assistente editorial e ganhei experiência trabalhando com produção de livros. Eu já me interessava bastante pela área textual e durante um tempo fiz freelas como revisora e copidesque. Isso me deu experiência com texto e, depois de alguns anos, eu decidi tentar ser tradutora. Pedi para fazer testes de tradução e meu texto foi aprovado. E estou traduzindo desde 2011.




BA: Percebi que você tem uma longa lista de trabalhos, que envolvem nomes que passeiam por Sidney Sheldon, John Green a Sarah J Maas. Como é traduzir textos desses diferentes autores?

MK: É interessante ter a oportunidade de traduzir diferentes autores porque cada um representa um desafio diferente. Cada autor tem seus traços estilísticos próprios, as histórias e o público-alvo são diferentes. Isso me leva a adotar uma perspectiva diferente para cada texto traduzido, o que torna o trabalho bastante revigorante a cada mudança de livro.

BA: Atualmente, o nome do tradutor aparece do lado do nome do escritor original em sites de busca ou venda. Como é o trabalho de autoria de um tradutor? Quer dizer, como você lida com a subjetividade do seu trabalho se, teoricamente, você deve ser maximamente fiel ao original?

MK: Eu prezo bastante pela fidelidade ao original. Mas isso não é sinônimo de uma tradução absolutamente literal. A tradução literal de uma expressão idiomática característica da língua de origem, por exemplo, pode acabar traindo o texto, destituindo do trecho o significado pretendido pelo autor e desrespeitando o leitor.
Nesses casos entra o trabalho de adaptação de fato.
Eu acredito que por mais que o tradutor procure ser objetivo, se ater ao texto, os recursos de que lançamos mão para um trabalho de adaptação são resultado de nossas experiências formativas, do que compõe essa nossa bagagem linguística, e são nossas marcas de estilo também. Isso é inevitável, mas é preciso ficar atento para que não prejudique o texto ou desrespeite os leitores. Um exemplo, eu sou carioca, e sei que os livros são distribuídos pelo Brasil todo, então muitas vezes preciso parar e pesquisar se uma expressão que utilizei é excessivamente carioca. É um trabalho difícil porque exige que a gente se questione bastante, mas é importante para que se respeite a diversidade geográfica dos leitores e também não se prejudique o entendimento para parte deles.


BA: Como o livro Agente do Caos chegou às suas mãos?

MK: Ele foi me oferecido para tradução pela editora – processo normal mesmo.

BA: Você já conhecia os livros de Kami Garcia, autora de Agente do Caos? Se identificou com a escrita dela?

MK: Eu conhecia os livros da série Beautiful Creatures  (Dezesseis Luas). Eu adoro a escrita dela, na verdade. A Kami Garcia tem uma forma bastante leve de escrever, você se pega recitando os diálogos (às vezes quando a gente traduz é preciso dar uma recitada na cena) como estivesse participando da situação, é tudo bastante natural. Assim como os trechos narrativos de introspecção dos personagens, sinto que ela consegue ser bastante natural nessas horas também.

BA: Chegou a ler ou soube que Kami Garcia já havia escrito um conto (Filho do Buraco Negro) de Arquivo X publicado no Brasil anteriormente?

MK: Antes de receber o livro para traduzir eu não sabia que a Kami Garcia tinha escrito o conto não. Depois, com a breve pesquisa que fiz para iniciar a tradução do livro, eu fiquei sabendo.

BA: Você envolveu-se de alguma forma com o processo de tradução do livro The X Files Origens: Advogado do Diabo? Sabia que esse livro tem interseções com o Agente do Caos? Inclusive há um mesmo personagem nos dois livros que teve seu nome traduzido de maneira diferente (Luz do Sol ou Raio de Sol). O que poderia nos dizer sobre isso?

MK: Eu não me envolvi diretamente com o processo de tradução do Advogado do diabo. Nós trocamos vocabulários e fizemos algum contato inicial para determinação de alguns termos recorrentes. Eu não sabia que o Luz do Sol aparecia também no Advogado do Diabo até você observar.

BA: Qual sua relação com a série Arquivo X? Algum fã lhe procurou ou você procurou algum deles para o seu processo de tradução?

MK: Eu na verdade cresci assistindo Arquivo X, primeiro na TV aberta e depois na TV a cabo. Minha mãe sempre foi muito fã de ficção científica, e ela passou isso para mim e para o meu irmão. Era um momento família nosso sentar na frente da TV à noite e assistir Arquivo X. E depois ficar conversando horas e às vezes dias sobre as tramas. Ela comprava para a gente revistas que tinham entrevistas, que discutiam teorias dentro da série. Foi uma parte muito grande da minha formação e tenho muitas memórias familiares ótimas relacionadas a Arquivo X. Com o fim da série e com o tempo eu acabei deixando um pouco de lado, e na verdade ainda não consegui assistir à nova temporada porque aqui onde moro demorou muito para chegar à TV e quando chegou eu nem me dei conta de que já estava disponível.
Enfim, por conta disso, eu acreditei que tinha recursos, que tinha bagagem cultural para direcionar minhas pesquisas para a tradução desse livro.

BA: Um dos pontos mais importantes em Agente do Caos é sua relação com o livro “A Espada Diabólica”, de Michael Moorcock. Você já conhecia o livro e esse autor?

MK: Eu não conhecia o livro nem o autor. Passei a conhecer durante as pesquisas para a tradução de Agente do caos.

BA: Percebi que traduziu o título original “Stormbringer” para “A Espada Diabólica”, o mesmo título utilizado no Brasil na década de 1970 por uma pequena editora que nem deve existir mais. Isso faz parte de um processo de pesquisa? (pergunto porque, pra mim, foi ótimo, porque assim pude conhecer, encontrar, comprar e ler a versão de “A Espada Diabólica”, publicada em 1975)

MK: Isso realmente faz parte de um processo de pesquisa e também da prerrogativa de respeito ao leitor. Se o original menciona uma obra que tenha sido traduzida para a língua de destino, é importante a gente usar o título dessa tradução justamente para que um leitor possa pesquisar e encontrar tal livro se quiser.
Abri um sorrisão aqui ao saber que você pesquisou e encontrou A espada diabólica depois de ler Agente do caos – eu sempre imagino essa possibilidade, você acaba de me mostrar que acontece mesmo!



BA: Qual passagem do livro achou mais interessante ou curiosa de fazer? A quem você indicaria, que público deve ler Agente do Caos?

MK: Nossa, essa é difícil! Eu me diverti muito traduzindo os trechos com o Major, e sendo fã de Arquivo X, uma vozinha na minha mente ficava dizendo “Vocês precisam dar atenção ao Major”, e eu ficava maquinando de que maneira as falas aparentemente loucas e enigmáticas dele podiam se encaixar na trama e esclarecer alguma coisa. Fiquei arrasada com a última cena do Major...
Eu indico o livro pra todo mundo que conheço que gosta de Arquivo X, mas também indico para quem gosta de um bom mistério. Acho que para os fãs, têm todos os pontos de reconhecimento com a série que dão uma perto de nostalgia no coração. Para quem nunca ouviu falar, acho a trama muito bem construída, e qualquer um que goste de um bom mistério de serial killer deveria ler.

BA: Existe alguma indicação de tradução ou cuidado externo dos escritores originais com relação a este livro?

MK: Não houve indicação para cuidados específicos com a tradução desse livro não. Mas sei que a editora que me escolheu para traduzir esse livro sondou meu interesse pela série. E fiquei muito, muito grata por ter passado nessa sondagem inicial!

terça-feira, 15 de maio de 2018

Conheça Face Oculta




Problemas Editoriais no Brasil

Face Oculta é um daqueles títulos que você oferece para o leitor, insistindo: “Leia isso, por favor!”, mas como sou o dono da livraria, ele pensa logo que só quero vender um troço estranho que está encalhado na prateleira. Até entendo, por que acompanhei um pouco os problemas da série no Brasil. Inicialmente, ela foi lançada em novembro de 2012 e deveria seguir o padrão original italiano, uma maxi-série em 14 volumes, mas morreu na segunda edição, deixando os compradores frustrados com dois gibis que provavelmente nunca teriam continuação.

Mas a esperança não é necessariamente gratificante, pode ser torpe, e iludiu uma segunda vez aqueles fãs do fumetti. Em setembro de 2016, a Panini lança novamente o título, desta vez encadernando as 4 primeiras edições em um volume. A gente faz a matemática e deduzimos que essa nova série deverá ter apenas 4 volumes, juntando todas as 14 edições originais. O problema é que a edição custava R$39,9 e vinha de um histórico com terrível falha de continuidade. Os eventuais fãs do escritor Gianfranco Manfredi, que conheciam seu trabalho no excelente Mágico Vento (série que a Mythos publicou na íntegra em 151 edições e que hoje reimprime em edições especiais coloridas e em capa dura), poderiam evitar a nova edição por pura falta de expectativas, já que já fora frustrado uma vez. Já o público mais amplo, facilmente teria descoberto a história que este título poderia continuar minguando em sua mais tenra idade. Acredito que foi isso que aconteceu.


As poucas Face Ocultas que solicitei em minha livraria, eram recusados até pelo mais bonelliano dos meus clientes, que dirá leitores de X-Men ou One Piece. Encalhou. Mas a gente não quer desistir de um bom gibi e, depois de quase dois anos (agora, em maio de 2018), a Panini anuncia o volume dois, talvez muito por causa do sucesso que foi a retomada de títulos italianos através de iniciativas independentes, como a da Lorentz, com Dylan Dog e Editora 85, com Dampyr. Pelo sim ou pelo não, o que importa é que agora é hora de festejar e tirar a poeira da cara, ou da face, com o perdão do trocadilho.



Mas nem tudo são rosas, o volume dois de Face Oculta custará a bagatela de R$51,9, um ponto muito difícil para barganhar com os leitores. Tudo bem que teremos, nesse encadernado, cinco edições da série original, quase 100 páginas a mais que o volume anterior, totalizando 480 páginas, e, por mais que seja injusto comparar títulos e preços, o que importa é a realidade do bolso do leitor, e pagar R$51,9 por um gibi, 16x21cm, preto e branco, de um personagem completamente desconhecido, é investir demasiada e cegamente no público de nicho que, por estar desde 2012 esperando, duplamente frustrado, pode se negar a comprar, sem contar que existem edições do gênero muito mais em conta, do próprio Tex, com cerca 320 páginas pela metade do preço. Isso sem mencionar gibis como Lobo Solitário, com mais de 300 páginas por apenas de R$18,9.

Quem é o autor?
Escrever esse texto foi uma grande surpresa, pois descobri que Gianfranco Manfredi, além de ser o escritor de Mágico Vento, é um artista múltiplo, autor de mais de trezentas canções, vários roteiros de cinema e televisão, ensaios e críticas sobre música, entre outras coisas, como sua graduação em História da Filosofia, formação que o permitiu inclusive lecionar na área em institutos de educação italianos.



Manfredi nasceu em 1948 e até meados da década de 1980 produziu música intensamente. Quer dizer, ele não é um aventureiro na área que cria canções pontuais para se divertir. É autor e/ou cantor em, pelo menos, 11 discos (entre álbuns e singles) desde 1972, sendo que seu último, data de 2003. Sua carreira na música dividia-se entre o compor e cantar, mas escrever músicas acabou tornando-se o foco principal, local mais agradável e que lhe dava mais espaço criativo dentro dos seus limites. A escrita, afinal, sempre é mais libertadora, pois os limites são imaginários, talvez esse tenha sido o verdadeiro motivo que o levou a afastar-se do mundo da música e imergir nos vários universos das letras.





A partir da segunda metade dos anos 80, começa a dedicar-se à carreira de escritor, roteirizando 9 filmes e vários programas de TV, mas não ficava apenas atrás das câmeras, pois foi ator em outras 9 películas.



 Em uma entrevista para o site texwillerblog.com (que tive a pachorra de traduzir usando o google e adaptar livremente), Manfredi comenta sobre porque parou de fazer filmes: “Alguns filmes produzidos na Itália não me interessam. Há ótimos filmes, pelo amor de Deus, mas o esforço para completar um de algum valor expressivo, hoje na Itália, é realmente inviável. Estou acostumada a trabalhar duro, mas não estou disposto a trabalhar como uma mula para coisas que terminam não realizadas, ou que são malfeitas, ou concluídas apenas cinco anos depois de alguém pensar nelas, ou que não encontram espaço nos cinemas porque a distribuição está nas mãos dos americanos”. Manfredi também comente que o cinema italiano é muito voltado para a aventura e humor, gêneros que não lhe apetece, preferindo muito mais o horror ou o romance (o que tentou fazer em Face Oculta, do qual trataremos mais à frente):

“Escolhi a escrita, que me deixou criativamente mais livre. Meu amor pela escrita, no entanto, foi maior do que para a música, que também me deu grande satisfação, assim eu aproveitei a boa reputação e estima que tinha ganhado como um cantor/compositor para me apresentar no cinema como roteirista, principalmente, mas também como ator e, às vezes, como compositor de música cinematográfica. Mais tarde, bastante decepcionado com o fato de que na Itália na época foram produzidos quase exclusivamente comédias, enquanto eu preferia um cinema mais radical em suas escolhas (do western ao horror), decidi abordar a escrita de uma maneira mais ampla e completa e assim cheguei à narrativa escrita, com uma série de romances que exploram, digamos assim, os limites do gênero (do gótico ao romance histórico)”.




Produziu 15 romances, além de um tanto assim de ensaios e críticas de música. Sua estreia no campo dos quadrinhos ocorreu com a criação de "Gordon Link", um caçador de fantasmas não convencional, em 1991. A partir de 1994, Manfredi começa a colaborar com a Sergio Bonelli Editore, escrevendo inúmeros roteiros para Dylan Dog e Nick Raider. Em 1997, foi a vez de criar seu projeto mais duradouro, o western Mágico Vento, que mistura elementos de terror e magia (e que futuramente iremos resenhar). Em 2005, fez sua estreia como roteirista de Tex, escrevendo a história "La pista degli agguati", um gibizão de história fechada com 290 páginas, publicada no Maxi Tex daquele ano. 



Só em 2007 começou o Face Oculta, um romance em quadrinhos, fechado em 14 volumes. E agora uma informação que pode deixar todos nós com uma pulga enooooorme atrás da orelha: Face Oculta tem uma sequência! Mas calma! Ao que tudo indica, a série original é conclusiva, o que temos nessa nova história intitulada Shanghai Devil é outra maxi-série em dezoito edições, utilizando o mesmo protagonista Ugo Pastores, mas que não precisa ser lida para uma plena satisfação com a série anterior. Manfredi parece escrever como nos moldes das antigas aventuras seriadas, onde o protagonista aventura-se em cenários diferentes a cada vez, saindo da África, em Face Oculta, para a China nesta segunda. 



Em outubro de 2014 começou sua mais recente obra nos quadrinhos, chamada Adam Wild, uma série de aventura que volta para um cenário relativamente parecido com o Face Oculta, a África oitocentista.




Manfredi, nessa montanha russa criativa que é sua vida, reúne algumas das principais características que formam um bom escritor: experiência e vontade de narrar. Definitivamente, não é um emergente na área.

Mas do que trata mesmo o gibi?
“Gostaria de escrever histórias de amor. Nunca fiz isso, mas o experimento me atrai. Tentei fazer um pouco no Face Oculta, e talvez, no futuro, faça isso em um romance. Difícil de percorrer todo esse caminho em uma história em quadrinhos, porque nem a Bonelli nem outras editoras na Itália parecem estar interessadas em nada além de quadrinhos de aventura ou humor. Eu não escreveria sobre bolos de carne sentimental. Acredito que o amor pode ser contado de outra maneira, mas... Para escrever coisas diferentes, você deve primeiro ler coisas diferentes, ampliar o alcance de seus interesses”



Tentarei responder a essa pergunta do tópico, citando esse trecho do autor Gianfranco Manfredi para deixar bem claro que Face Oculta não é exatamente o que aparenta. Quando você vê a capa, um homem de terno com um revólver na mão, um exército formado por tribos africanas e um rosto, ao fundo, coberto por uma misteriosa máscara prateada, tudo parece nos levar para uma exótica aventura, mas isso é apenas o que sugere as primeiras 100 páginas desse encadernado.

Sem querer estragar o prazer de sua leitura e procurando apenas preparar o terreno para o leitor desavisado, Face Oculta conta a história de Ugo Pastore e seu pai, Enea. Ambos são representantes de uma sociedade comercial italiana que faz transações econômicas e diplomáticas entre a metrópole e suas colônias. Chato? Poderia ser se o cenário inicial não fosse realmente a exótica África dos 1890. Então, sim! É um gibi sobre intrigas políticas e comerciais, que deve ser lido com atenção, porque a Etiópia, dividida em várias tribos que lutavam entre si, foi forçada a aceitar o reinado de um soberano que subiu ao trono por interesse da própria metrópole italiana, afinal, negociar com um único rei é mais fácil do que com várias tribos de opiniões diversas. Neste cenário, surge a figura enigmática e mitológica do Face Oculta, personagem que consegue reunir homens de tendências diversas contra a tirania do rei e contra exército italiano.

Tudo indica que a história seguiria facilmente por aí, mostrando o preparo e a execução de uma guerra sangrenta. Mas as coisas não são tão simples e, baseado em fatos reais, Manfredi sabe que não pode resolver as coisas facilmente. Na segunda parte deste volume 1 (dividido em 4), temos um salto temporal de 5 anos, e vemos Ugo morando em Roma, distante desses problemas da colônia. E é fantástico lê um gibi italiano passando-se em terra natal, pois somos tão acostumados a ler aventuras da Bonelli em outros países da Europa ou na América que ficamos encantados com os detalhes das ruelas escuras de Roma e suas fachadas em ruínas.



Mas, como estava dizendo, a história parece mudar drasticamente nessas edições 2, 3 e 4 que compõe o volume, deixando Face Oculta em segundo ou terceiro plano e focando no que parece ser uma calma e delicada montagem de um cenário maior. Somos apresentados a novos personagens e outras tramas, envolvendo dramas familiares e ocultação de cadáveres e, ao final deste primeiro volume, voltamos para a África, sob novas perspectivas.

Nos editoriais da revista, o autor nos informa de algumas influências que teve, como as óperas dramáticas e a construção de personagens femininos, vivendo em um mundo extremamente machista, então somos apresentados à personagem Matilde, de uma personalidade profunda que nenhuma pequena resenha deveria ousar explicar, mas que representa, de certa forma, o tipo de personagem romântico da época, apaixonada e doente, frágil, mas, ao mesmo tempo, capaz de nos surpreender, fugindo do padrão moldado muito mais pela opressão externa do que por qualquer outra coisa. Também conhecemos Vittorio, um oficial da cavalaria, metido a Don Juan, aventuresco, violento, justo e insensível (se é que é possível). Enfim, não são personagens fáceis de lidar.

Apesar do sensível distanciamento da narrativa sobre o personagem Face Oculta, tudo parece ser conduzido de volta para lá, e é o que vemos acontecer já na quarta história desse primeiro volume, pois mesmo lá na Itália, enquanto nossos três protagonistas enrolam-se em suas próprias confusões, descortina-se no fundo do palco o problema constante que envolve a guerra travada entre a Itália e a Etiópia e, com certeza, nos próximos volumes (que oramos para a Panini publique com uma velocidade superior a uma bienal) teremos muitas aventuras sob um sol escaldante e de paisagens de areia arrastadas pelo vento.

Quase esqueci de falar do desenho! A primeira edição é feita por Goran Parlov, já conhecido tanto pelos bonellianos quanto pelos marvetes, quando desenhou o Justiceiro para a “Casa das Ideias”. Parlov é, de longe, o melhor desenhista na edição. É importante explicar que, na Itália, para manter uma série mensal com 100 páginas de quadrinhos, é muito comum o rodízio de desenhistas. Pela qualidade das pranchetas, é completamente inviável que o mesmo artista assuma um título sozinho, já que ilustrar essa quantidade de quadrinhos pode demorar, facilmente, de 3 a 4 meses. Por isso, temos 4 desenhistas neste primeiro volume, um para cada edição. Rotundo faz a segunda e segue uma linha parecida com a de Parlov, de traços angulares e estilizados, de altos e cristalinos contrastes em preto e branco. A terceira edição, de Nespolino, tem um traço mais próximo do que gosto de chamar de um padrão bonelliano de qualidade, mais tradicional, mais quadradinho em sua narrativa e estilo de desenho. O autor da quarta edição deste primeiro encadernado, é Burak, com certeza o que causa mais desconforto em qualquer leitor desavisado. Com uma rachura, por vezes, grosseira, tem o traço mais distante do que um leitor mais mainstream está acostumado, mas também de uma riqueza incrível.

Para não me alongar mais, a gente só espera que a torpe esperança não nos iluda uma terceira vez! Vida longa a Manfredi, Face Oculta e que venha logo Shangai Devil.

quarta-feira, 2 de maio de 2018

Memória de Elefante, um gibi que precisa ser lido




Memória de Elefante é aquele tipo de gibi que você acaba deixando pra fazer a leitura depois porque não tem nenhuma referência, não sabe exatamente do que trata, a capa pode não dialogar muito contigo e aí ele vai ficando na pilha de leituras, ou mesmo você vai ignorando ele na livraria... Foi isso que aconteceu comigo.

Tenho uma livraria especializada em quadrinhos e confesso que leio muito devagar, não me mantenho atualizado. E Memória de Elefante foi lançado em 2010 (em minha defesa, só abri a livraria no ano seguinte). Há um bom tempo esse livro era colocado de um lado para outro em minhas prateleiras e, com um pouco de curiosidade e culpa de leituras atrasadas, eu dava uma folheado no gibi, prometendo a mim mesmo “um dia...”

Acho que sei porque, depois de tanto postergar, li esse gibi de um dia para o outro. Tudo começou em março, quando comecei a ler Vingadores Eternamente (parte 1 e 2, lançados pela SALVAT nos números 14 e 15, de lombada). Passei abril em um suplício tentando terminar. Prometi a mim mesmo ler aquilo só por causa do Kurt Busiek, afinal de contas, uma pessoa que escreve Marvels e Astrocity sabe o que faz. A ideia era produzir uma resenha, entretanto, reavaliei minhas prioridades, pois se iria me dedicar a escrever um texto deveria ser sobre alguma coisa que eu, no mínimo, tivesse gostado. Então, procurei outra coisa pra ler. Instintivamente, queria algo completamente diferente daquela coisa colorida e saltitante. Memória de Elefante brilhou na prateleira.

Comecei a ler o gibi de noite e quando fui dormir já tinha lido 150 das 228 páginas do livro. Provavelmente teria terminado a leitura se minha mulher não estivesse tentando dormir com um pano cobrindo seus olhos. Concluí na manhã seguinte. É clichê dizer que “aquilo me prendeu. Não queria largar o quadrinho”? Foda-se. Foi assim mesmo. E isso é muito raro na vida de minhas retinas preguiçosas.



Como falei no início, Memória de Elefante não havia chamado minha atenção, nem pelo título, nem pela capa (por sinal, acho que a capa dialoga muito pouco com o conteúdo do gibi. Muito melhor o Elefante que está na folha de rosto da obra), nem exatamente pela qualidade dos seus desenhos. Ou seja, realmente não é um quadrinho que se vende fácil. Talvez por culpa minha, nunca tinha ouvido falar do autor: Caeto. Minha única indicação de qualidade é a editora: Companhia das Letras, mais especificamente o seu selo de quadrinhos, o Quadrinhos na Cia. Dificilmente eles erram. De tudo que li do catálogo dos caras, apenas um gibi não me convenceu (um que inclusive é super elogiado pela crítica, o que me dá até certa vergonha de citar que não gostei, mas dane-se! “Umbigo sem fundo” é ruim. Se você discorda de mim, ponto pra editora, pois eles não teriam nada descartável... Bom, se você não estiver de bem com a vida, talvez não goste de “Repeteco”, mas eu o guardei na minha estante).



Caeto conta uma história autobiográfica, seus problemas na família, entre os amigos, na escola, na vida profissional... O grande lance é que não tem nada muito especial na coisa toda. É algo cru e simples, tanto no traço, na diagramação, quanto no texto. O personagem-autor perambula pelas ruas de São Paulo, nos inferninhos, nos bares, nas galerias de arte, fazendo sexo e um retrato curioso dessa vida alternativa da arte paulista, principalmente envolvendo a música punk e a produção de fanzines de quadrinhos. Um dos autores que dá às caras no livro é o Rafael Coutinho, autor de “revistinhas” (termo empregado com carinho e não pejorativamente) como Cachalote, Mensur e O Beijo do Adolescente. Memória de Elefante fala sobre arte, sobre tentar viver de arte através deste esquema de feiras independentes e vemos que, mesmo em São Paulo, a coisa não é fácil (alô, alô! Falando aqui diretamente de Teresina, Piauí).

A história é cotidiana e somos apresentados às dificuldades do protagonista, mas não apenas a isso, somos convidados a conhecer o autor e como ele pensa e isso pode incomodar a gente. Afinal de contas, é fácil não gostarmos de um personagem e curtir a obra. O difícil é você não gostar do autor, que é o protagonista da obra, e conseguir gostar do quadrinho. Novamente, repito que não conhecia o Caeto, mas depois de ler seu gibi, confesso que ele não é alguém com quem, provavelmente, eu curtisse conviver ou trocar umas ideias: mas seu gibi é bom pra porra!



Caeto é escroto, um tanto preconceituoso, impaciente e um pouco insensível. Sua sorte é conseguir lidar com a maior parte desses problemas internamente, sem explodir, transformando tudo isso num gibi para evitar ou uma úlcera no estomago ou espancar alguém. Talvez tenha consciência disso, fazendo do quadrinho uma grande terapia, mesmo que não seja o objetivo. Por sinal, acho que, definitivamente, uma terapia não é o objetivo do gibi, apesar de servir para isso também. Mas não pense que é um dramalhão, longe disso.

Boa parte do drama do gibi é sobre o autor conseguir estabilidade financeira, dormir em um lugar onde não existam pulgas que lhe atrapalhe seu sono, conseguir uma namorada e se relacionar com sua família, principalmente com seu pai doente.



Com a experiência de transformar seu cotidiano em matéria-prima, seu livro é um delicioso recorte de acontecimentos. Recomendo fortemente.

Caeto, se nunca cruzar com você, aproveito para lhe dar logo os parabéns pelo belo trabalho, melhoras na sua vida e saúde, caso espirres!

terça-feira, 1 de maio de 2018

7 problemas no filme Guerra Infinita


Obs: Esse texto contêm SPOILERS

Assisti ontem ao Vingadores Guerra Infinita. Saí do cinema feliz como estou acostumado a fazer sempre que deixo uma exibição da Marvel Studios. Mas sou um cara que sempre gosto de olhar o lado negativo, principalmente quando a crítica está ovacionando a coisa toda.

Então, este texto não é pra dizer que odiei o filme, mas pra levantar os pontos que podem incomodar qualquer espectador.

Quais são os problemas de Guerra Infinita?


1) Visão é o maior problema do filme.
O personagem está completamente apagado, e fazem isso literalmente no filme, afinal quando Thanos lhe arranca a jóia do infinito ele morre e fica “preto e branco”, sem cor.

Visão não faz NADA o filme inteiro. Nem pra filosofar, raciocinar e encontrar o melhor opção para resolver o problema da joia na sua testa ele serve.  É preciso que o Banner diga algo assim: “gente, podemos tirar a joia dele e manter a melhor parte do Visão ainda viva”. Poxa! Visão foi incapaz de encontrar uma solução tão simples. E ele existe, principalmente, para pensar!

O personagem nem consegue ficar intangível e o filme não se preocupa em explicar isso, apenas diz que a lança do inimigo o impediu, o que o torna um imprestável sendo arrastado de um lugar para o outro no filme inteiro. E nós sabemos que o Visão é um dos mais poderosos Vingadores dos quadrinhos, ou, para usarmos os critérios dos filmes, ele é o fiel da balança que fez os heróis vencerem Ultron.


2) Visão e Feiticeira são derrotados por capachos.
Visão por si já é poderosíssimo, e junto com Wanda forma uma dupla de níveis épicos, mas foram feitos de gato e sapato por dois soldadinhos de Thanos. Você pode achar que os vilões fazem parte da linha de frente de Thanos, entretanto, depois de tanto sarrarem os heróis, eles são facilmente derrotados pelo Capitão América, Viúva Negra e Falcão, quer dizer, não era para terem sido um problema tão grave para a dupla se os três heróis (dois deles sem NENHUM superpoder) conseguiram botá-los pra correr.
E pra piorar o filme nesse ponto, temos em uma das cenas finais, Wanda, com apenas uma mão destruindo uma joia do infinito (afinal ela era ÚNICA capaz de fazer algo assim) e com outra mão ela apenas consegue parar o avanço de Thanos, que está com 5 joias na mão e disposto a usá-las. Essa é a mesma Wanda que apanha de dois capangas do Thanos, uma enorme desproporção de poder da personagem dentro do mesmo filme.


3) Grandes personagens das franquias são meros coadjuvantes
Não é fácil fazer um filme com tantos personagens e conseguir equilibrar o nível de importância e participação deles. Os irmãos Russo tiveram essa experiência em Guerra Civil e conseguiram ser mais eficientes neste ponto.

Guerra Infinita dá nítidas impressões de que o filme é sobre o Thanos e seus objetivos e que foca no núcleo de Guardiões por causa da Gamora e do seu providencial encontro com Thor, que também tem motivos pessoais contra o titã.

Em segunda escala temos o núcleo de Tony Stark, Peter Parker e Dr. Strange, que conseguem brilhar. Era impossível o contrário. Entretanto, temos o núcleo do Capitão América, completamente apagado e sem tempo para todas as micro histórias que caberiam ali: o romance de Banner e Natasha, o “romance” de Steve e Buck, tudo colocado de escanteio porque não caberia. Dos grandes, até Tchalla está apagado se não fosse a tentativa de invasão de Wakanda. Dos restolhos, como Falcão e War Machine e todo o restante do núcleo do Capitão, são apenas soldados figurantes numa batalha.


4) Você realmente acredita que alguém morreu naquele filme?
Certo! Talvez Gamora e Loki tenham morrido de verdade, mas o filme não consegue vender a ideia de que todos aqueles personagens morreram. E eles tentaram convencer o público de um final incrível, corajoso e tudo mais. “Você não está preparado para o final de Guerra Infinita”, vi em garrafais em um título de vídeo no youtube... Não! O filme fracassa nesse objetivo. Ninguém com um mínimo de inteligência cairia nessa. E nem falo de conhecimento dos personagens dos quadrinhos, falo de coisas mais práticas como saber que não se deve matar Tchalla, a mais recente pantera dos ovos de ouro (ou vibranium) da Marvel.

O filme não consegue vender a ideia de que Thanos realmente conseguiu seus objetivos, a gente não sente a morte daqueles personagens, todos ali, um por um, virando poeira em nossa frente. No último a gente pensa: “Tá! Já entendi. Pode parar...” e nós saímos da sala com a certeza de que na continuação teremos um plot twist previsível, provavelmente liderado por Strange,  reunindo os “mortos”.

Esperando o próximo filme, quando o Downey Jr. abandonará o universo Marvel em uma morte apoteótica.


5) Não tem o Homem Formiga nem o Gavião Arqueiro
Simplesmente senti falta dos dois personagens. “Ah, mas você tá reclamando que o núcleo do Capitão ficou apagado e queria mais dois personagens?”. Pois é. Queria. O fato de eles estarem, simplesmente, ausentes é um problema cronológico para mim dentro do universo Marvel que precisa ser corrigido nos próximos filmes.

6) Essa cena não está no filme
Sim! E isso é um problema PRINCIPALMENTE por causa do Hulk. É um pouco frustrante não ver o Hulk saindo de dentro Hulkbuster e a gente fica com aquela impressão de que fomos sacaneados como quem assiste há um monte de cenas fodas nos trailer , mas que não aparecem no cinema, que nem nos filmes da Warner...

Por sinal, o Hulk não aparece por algum problema que também não é trabalhado no filme. Aparentemente por causa de pura implicância do gigante esmeralda por ter levado uma surra do Thanos. Hulk ficou "traumatizado" e não quis mais brincar? Por favor...


7) Thor precisa de nova arma?
Em Ragnarok, vimos Thor perder mjolnir e toda a jornada do filme é justamente sobre ele aprender que NÃO precisa de uma arma porque ele emana todo o poder de um deus... Tudo isso para, no filme seguinte, ele passar toda sua parte da história procurando fazer uma nova arma, única capaz de derrotar Thanos. É meio contramão se a gente considera o cenário maior.

Entretanto, esse é um problema bem mais da cronologia do personagem em si do que do filme Guerra Infinita isoladamente.

É isso. Essas são impressões retiradas numa conversa 30minutos depois da sessão enquanto dividíamos uma pizza com amigos.

No mais, é um filme algo entre 3,5 e 4 Estrelas, apesar destes pontos. Não vou falar dos pontos positivos porque é chover no molhado. Bom dia.

8) Na verdade são 8 problemas.
Pensei no oitavo durante a gravação deste vídeo. Assiste lá e não se esquece de se inscrever no canal.




quarta-feira, 25 de abril de 2018

20 anos de 300 de Esparta



Por Bernardo Aurélio

Frank Miller, autor que dispensa apresentações, lançou há 20 anos aquela que deve ser sua última grande obra: Os 300 de Esparta. Foi um grande sucesso de crítica e vendas, chegando a ganhar o Eisner (maior prêmio da indústria dos quadrinhos americanos) de 1999, como a melhor minissérie lançada no ano anterior. Não é para menos, afinal, o gibi é um clássico, merecidamente.

Miller decidiu fazer a HQ por conta de um filme homônimo (de 1962) que viu quando era criança e que o marcou fortemente. Para trabalhar com ele, esteve ao seu lado sua esposa, Lynn Varlley, responsável por colorir o melhor trabalho que Miller já fez: Batman - Cavaleiro das Trevas (1986) e Elektra Vive, que considero, visualmente, o ápice na carreira destes autores, ou seja, os desenhos de Frank Miller e a cor de Lynn Varlley nunca estiveram tão bons quanto na simbiose que ofereceram em Elektra Vive, mas o assunto aqui é 300...

Lançada no Brasil, originalmente, pela editora Abril como uma minissérie em 5 partes, de maio a julho de 1999, o quadrinho conta a história dos 300 soldados espartanos, liderados pelo rei Leônidas, contra os milhares de invasores Persas do imperador Xerxes, naquele que é considerado o momento dos primeiros confrontos entre oriente e ocidente do mundo antigo, no século V antes de Cristo.

Posso dar uma contextualização histórica? O mundo da Europa antiga vivia o auge do que chamamos de período clássico, quando Esparta e Atenas eram os principais modelos de cidade-estado do momento. Entretanto, já existiam grandes impérios no oriente médio, como os assírios e os persas. As cidades-estados sempre lutaram entre si, para manter o controle do mar mediterrâneo e suas consequentes influencias sob as demais cidades gregas. Acontece que os Persas, desde Dario, pai de Xerxes, era imperador de um exército como nunca se vira antes e seu expansionismo era de causar espanto aos agrupamentos gregos, que, em comparação aos orientais, poderiam ser considerados pequenos, afinal, a Europa nunca havia conhecido um império.

Algo que não é contado no livro de Miller, mas que é historicamente muito importante, é que 10 anos antes de Xerxes, Dario tentou invadir a Grécia e foi derrotado por Atenas, na famosa batalha que eternizou o nome “maratona”: Fidípides, correu centenas de quilômetros, primeiro da cidade de Maratona até Esparta, para pedir ajuda a eles, que foi negada porque os lacônios (habitantes da região de Esparta) estavam no meio de um festival religioso e não poderiam batalhar naquele período, e segundo, correu de Maratona até Atenas, para avisar da vitória que os atenienses infringiram aos persas. Feito não menos impressionante que a batalha das Termópilas, da qual trata 300.

É curioso notar aqui que, 10 anos antes, Esparta ignora o pedido de ajuda ateniense alegando a Carneia, o período das festividades religiosas, único momento em que Esparta não poderia guerrear. E esse é o mesmo motivo que faz Leônidas partir sozinho com seu batalhão contra o exército persa, causando uma crise política, civil e religiosa, já essa atitude iria contra sua tradição, mas era necessário ser feito.

Maratona e Atenas foram tão importantes que o império Persa precisou de 10 anos para se reorganizar internamente para um novo ataque, principalmente por causa da morte de Dario e de todo o processo de transição do poder para Xerxes. Reforço isso porque a obra de Miller, talvez pela vontade de representar a opinião espartana sobre os atenienses, a quem consideravam efeminados ou glutões preguiçosos, endossa essa opinião. O fato é que, esses 10 anos de espera entre Maratona e Termópilas, permitiu ao mundo grego se organizar, criar certa ideia de nação que não havia antes, investir como nunca em um exército marítimo e todos os elementos que permitiram que a Europa ocidental não fosse subjugada ao poder de um império oriental.

Muito dos problemas enfrentados pelos gregos para organizarem a luta contra os persas diz respeito à criação de um sentido de unidade, de perigo externo em comum, de humildade e participação entre os povos, sempre muito altivos e orgulhosos em seus isolacionismos e as Guerras Médicas, de certa forma, foi o princípio que proporcionou isso à Europa. Digo só pra deixar claro, caso você seja um leitor de 300 super empolgado com Esparta, saiba que, no plano geral, muito se deve à Atenas.

Mas vamos voltar ao gibi...



Miller soube ser fiel ao espírito espartano, adjetivo que designa a sobriedade, o rigor e a severidade daquele povo que treinavam o tempo topo para a guerra. Assim como Leônidas, todas as “crianças”, condição que não existia, pois eram tratados como pequenos adultos, eram chicoteados até sangrarem e eram ensinados a serem cruéis, caçando e matando. A disciplina militar era rígida e os jovens só poderiam falar quando tinham permissão, e como falavam pouco, os espartanos eram de grande precisão na hora de o fazer, o que se tornou conhecido como fala "lacônica", caindo como uma luva à narrativa de Miller, sempre sisudo, econômico e certeiro em suas expressões, desde as soturnas narrativas de Sin City.

Outra característica que pode causar estranheza aos leitores do quadrinho, é o fato dos espartanos andarem nus, entretanto, é histórico. Conforme cresciam, os cidadãos eram obrigados a andar descalços e nus, de modo que adquiriam a resistência de uma pele grossa, para melhor enfrentarem as intempéries da natureza e as guerras, sempre constantes no mundo antigo.


A história que Miller conta é muito pontual, não se aventurando no que aconteceu 10 anos antes, em Maratona, ou no que acontece depois da batalha das Termópilas, onde Leônidas enfrentou o exército persa, mas nunca teria conhecido Xerxes pessoalmente... Liberdades poéticas. Então, caso você ainda não saiba, não darei spoiler, mas tente imaginar o resultado de 300 homens enfrentando um exército milhares de vezes superior... Miller foca no legado espartano, o que fica claro ao se observar os títulos de capa capítulo de sua história: honra, dever, glória, combate e vitória. Que vitória seria essa senão aquela do legado, que seria contada e recontada pela oralidade até chegar às grandes mídias contemporâneas? É justamente a vitória da glória, do dever e da honra.

Por ser pontual, 300 não mostra como os persas são, de fato, derrotados pela organização dos povos gregos, da frota naval ateniense e da força espartana, claro, insuflados pelo espírito de Leônidas e seu pequeno exército. Mas isso não diminui a força da obra, balançada no pendão sedutor da arte e da história, Miller sabe ser um bom orador.

E pra contar uma história é preciso ir além do texto. O fato é que Miller e Varlley conseguiram dar uma identidade visual incrível ao gibi. Contrastes formais de claro e escuro que o autor já dominava bem desde seus trabalhos em Sin City, domínio das diagonais nos planos criando efeitos dinâmicos de ritmo e movimento, cores fortes de marrom e vermelho, tudo isso características marcantes da arte barroca, que, inegavelmente inspiraram os autores, namorando com um expressionismo forte apresentado pelos desenhos distorcidos de Miller (obrigado pela aula, Drª Zozilina).




(ator ao lado de pintura de 1814)

A arte de 300 impressiona. Principalmente se você tiver a edição em formato horizontal, lançado posteriormente pela editora Devir. Impressiona tanto que, ao ser adaptado para o cinema por Zack Snyder (2006), teve esse visual recriado na telona. Quando digo “recriado” estou falando literalmente, pois Lynn Varlley foi chamada para pintar alguns dos cenários utilizados no filme. Por essa adaptação fiel, Zack Snyder ganhou o título de “visionário”, o que calçou o caminho da sua história em produções futuras, como Watchmen e Batman v Superman.




Atualmente, Miller publica "Xerxes" nos Estados Unidos, que deve ser a continuação direta de “Os 300 de Esparta” (ou não, já que na capa há a frase "the fall of the house of Darius") e, como ainda não tive acesso, não posso traçar comentários. Mas, avaliando os últimos trabalhos do autor a que fizemos leitura, como as duas continuações de Cavaleiro das Trevas e Holy Terror, não criaremos nenhuma expectativa. Infelizmente, terminamos esse texto como começamos: Os 300 de Esparta deve ser a última grande obra de Miller e, por isso, deve ficar em destaque na sua prateleira.



Obs: Este escritor ainda não assistiu ao filme "300: Rise of an Empire"... Desculpem.

sexta-feira, 20 de abril de 2018

18 ''FATOS'' SOBRE A MALDIÇÃO DO SUPER-HOMEM




Sou do tempo do Super-Homem... E desde muito tempo que se fala sobre uma “maldição do Super-Homem”, que os atores dos filmes ou séries sofreram diversos problemas durante ou após suas participações nessas produções. É claro que não devemos levar essas coisas a sério, que quanto mais se procura, mais acha-se essas coisas... Mas eu adoro umas teorias bizarras. Então, tomei a liberdade de listar algumas “coincidências”.
1)      Os irmãos Max Fleischer e Dave Fleischer, dos Estúdios Fleischer, que produziram os desenhos da Paramount Superman, começaram a brigar entre si e o estúdio quebrou, financeiramente. Venderam para Paramount, de onde foram demitidos. Um deles morreu na pobreza.
2)      O ator Kirk Alyn, da série do Super-Homem de 1948, não aceitou fazer um longa-metragem do Super e sua carreira teria afundado. Ele disse que "Interpretar o  Super-homem arruinou a minha carreira de ator e fui amargo por muitos anos sobre a coisa toda." O filme foi "Superman e os homens Toupeira”, onde foi substituído por George Reeves. Kirk foi o pai da Lois no filme de 1978 e não teria feito mais nenhum trabalho significativo desde o final dos anos 1940. Alyn sofreu da doença de Alzheimer mais tarde em sua vida e morreu em 1999 com a idade de 88 anos.
3)      Bud Collyer dublou o Super-Homem na animação dos irmãos Fleischer, de 1941-43. Retornou ao Super-homem ao dublar The New Adventures of Superman para a CBS em 1966. Três anos depois, morreu de uma doença circulatória aos 61 anos de idade.
4)      George Reeves, o ator que interpretou o personagem por quase 9 anos sofreu acidente durante gravações do seriado, caindo de um cabo de aço, durante uma cena de voo. Morreu em 1959, no fim da série, em condições suspeitas. Não se sabe se foi suicídio por conta de depressão ou se foi por causa de um caso amoroso que tinha com uma mulher ligada à um magnata da televisão (a esposa do executivo da MGM Eddie Mannix). Foi a morte de Reeves que inspirou as teorias da conspiração e a lenda urbana de uma maldição associada ao personagem. Recomendo o filme Hollywoodland, sobre a morte deste ator, feito em 2006, Adrien Brody e Ben Affleck interpretando o Georges Reeves / Superhomem. Ben foi indicado ao Globo de Ouro pelo filme.
5)      Lee Quigley, que interpretou Superman quando bebê no filme de 1978, morreu em 1991 aos 14 anos devido a abuso de solventes.
6)      Christipher Reeves, o mais famoso Super-Homem sofreu um acidente de cavalo que o tornou tetraplégico, em 1995.
7)      Dana Reeve, viúva do ator Christopher Reeve, que, apesar de não ser fumante, morreu de câncer de pulmão em 2006 aos 44 anos de idade.
8)      A atriz Margot Kidder, que fez a Lois Lane nos 4 filmes clássicos do Super, sofreu um grave acidente de carro em 1990 e ficou dois anos sem trabalhar. Em 1996, passou por sérios problemas psiquiátricos e foi diagnosticada como maníaca depressiva.
9)      Christian Brando, filho de Marlon Brando (Jor-El), assassinou o namorado da a irmã, em 1990, depois que sua irmã Cheyenne lhe disse que o namorado de 26 anos havia batido nela. Cheyenne suicidou-se em 1995.
10)  O comediante Richard Pryor, estrelou como o vilão Gus Gorman em Superman III de 1983, foi viciado em drogas que o levou a uma tentativa de suicídio quase fatal. Foi diagnosticado com esclerose múltipla. Morreu de parada cardíaca em 10 de dezembro de 2005, aos 65 anos de idade.
11)  Dean Cain, famoso pela série Lois e Clarck, nunca deslanchou na carreira.
12)  O ator Sam Jones III, que fez o Pete Ross em Smallville, em 2009, foi acusado formalmente de conspiração para tráfico de drogas. Sam seria a ligação dos traficantes em Hollywood e estava se preparando para negociar 10 mil pílulas de oxicodona, analgésico normalmente usado para o tratamento da dor em paciente com câncer. Ele fazia a "Conexão Hollywood" em um plano para comprar e distribuir a droga ilegal. Passou 10 meses na prisão.
13)  Allison Mack, a Chloe,  e Kristin Kreuk, a Lana, de Smallville, foram acusadas de recrutar escravas sexuais. Coincidentemente, hoje (20/04/2018), Allison Mack foi presa por conta de seu envolvimento com esse culto sexual.
14)  A maldição foi invocada depois que três pessoas envolvidas na produçao de “Superman Returns” (2006)  sofreram ferimentos, um dos quais caiu em um lance de escadas. Outro foi assaltado e espancado e um terceiro bateu em uma janela de vidro. O diretor Bryan Singer comentou: "Minha equipe absorveu a maldição por nós."
15)  O Kevin Spacey, ator que fez Lex Luthor em Superman Returns, de 2006, já há alguns meses enfrenta uma  série de denúncias de abuso sexual. Em outubro de 2017, o ator Anthony Rapp acusou Spacey de fazer avanços sexuais contra ele quando tinha apenas 14 anos. Após as acusações de Rapp, inúmeras outras pessoas também vieram a frente e acusaram Spacey de abuso e assalto sexual. Como resultado, a Netflix cortou laços com ele, incluindo a remoção dele do elenco de House of Cards. Outros projetos contando com Spacey, como o filme Gore, foram igualmente cancelados.
16)  A filha do diretor Zack Snyder, responsável pelo filme Man of Steel e Batman v Superman (BvS), cometeu suicídio durante a gravação de BvS.
17)  Talvez seja exagero comentar que, mesmo o sucesso de Henry Cavil à frete das últimas interpretações do Super na telona, o personagem parece distante de agradar
18)  A gente pode dizer que os últimos longa metragem com o Super TODOS falharam de crítica e bilheteiria? Desde o SUper-Homem III e IV, da década de 1980 até o Renascimento (2006), o MoS e o BvS, todos floparam! Enquanto o Batman e Esquadrão mandam bem (pelo menos de bilheteria, no caso do Esquadrão)

Em 2006, fizeram um documentário britânico chamado “The Curse of Superman”.